Vegetal e Só

By Karla Moura - 13:14

O Outono chega de mansinho, instala-se no ar, nas nossas almas, toma conta do nosso estado de espírito. Colore o mundo de mil suaves tonalidades.

E eis que me vem à memória um belíssimo poema de Eugénio de Andrade.


Foto: Karla Moura
(pinha da Mata Nacional de Cabeção)



Vegetal e Só

É outono, desprende-te de mim.

Solta-me os cabelos, potros indomáveis
sem nenhuma melancolia,
sem encontros marcados,
sem cartas a responder.

Deixa-me o braço direito,
 o mais ardente dos meus braços,
o mais azul,
o mais feito para voar.

Devolve-me o rosto de um verão
sem a febre de tantos lábios,
sem nenhum rumor de lágrimas
nas pálpebras acesas.

Deixa-me só, vegetal e só,
correndo para um rio de folhas
para a noite onde a mais bela aventura
se escreve exactamente sem nenhuma letra. 


  • Share:

You Might Also Like

0 comentários